Como Escolher Meus Candidatos?

postado em: Fique por dentro..., Home | 0
Por Rawlinson Rangel*

O momento político do Brasil é decisivo. Estamos às vésperas de eleger um grande

número de parlamentares e executivos que irão liderar a nação pelos próximos quatro

anos. As suas ideologias partidárias, seus programas de governo e os seus objetivos

pessoais serão executados no Brasil com a nossa permissão. Essa é a oportunidade e o

risco da democracia: a decisão está nas nossas mãos.

Diante das dezenas de candidatos e partidos, como faço para escolher aqueles que vão

melhor representar e administrar o país? No livro “Liderança Corajosa”, Bill Hybels nos

inspira a escolher pessoas que irão trabalhar conosco com a regra dos “3 Cs”. Funciona

também se aplicarmos a regra para escolhermos aqueles em quem iremos votar.

Caráter

Traços de caráter são o que definem a ética e a moral de uma pessoa. Honestidade,

integridade, motivos altruístas, determinação, trabalho, etc., são expressões do caráter.

Esses traços demonstram o quanto a pessoa é confiável para receber nosso voto, se ela

está mentindo, prometendo o que não pode cumprir ou se tem intenções de enriquecer

com o dinheiro público. Alguém cuja integridade está sempre sendo questionada, cujas

intenções não são claras, de moral duvidosa, que já foi enquadrada em acusações e

processos comprovados, não tem o caráter para receber seu voto.

Coerência

O termo coerência é para indicar que as pessoas ou partidos em quem votamos possuem

o mesmo posicionamento ou ideologia que nós. Os exemplos mais comuns são o aborto,

o casamento de pessoas do mesmo sexo ou a descriminalização da maconha. Mas

outros temas são tão ou mais importantes, como a reforma tributária, a reforma política,

a destinação dos tributos e impostos, ou a interferência cada vez maior do Estado em

nossas vidas particulares, liberdades e em nossa propriedade. Não devemos votar em

alguém cujas ideias pessoais ou partidárias não sejam coerentes com o que defendemos.

Competência

Competência une conhecimento (formal ou não), a habilidades e à experiência.

Infelizmente algumas pessoas que se candidatam não têm ideia do funcionamento da

estrutura governamental. Não sabem trabalhar com um orçamento público, não conhecem

os procedimentos parlamentares, não têm habilidades administrativas, não distinguem

as atribuições de um parlamentar das do governador ou prefeito. São grandes as

possibilidades dessa pessoa ser manipulada por outros que já estão lá há muito tempo.

Devo cuidar para não dar meu voto a quem não sabe o que fazer com ele.

Diante dessas questões, vale a pena lembrar do conselho de Jetro quando Moisés estava

organizando a estrutura da nação judaica: “Mas, escolha dentre todo o povo homens

capazes (competência), tementes a Deus (coerência), dignos de confiança e inimigos de

ganho desonesto (caráter)” (Êxodo 18.21 NVI – as ressalvas são minhas).

Para isso você precisa conhecer as ideias e a vida de seu candidato para além da Horário

Político Gratuito da TV. Mas também deve orar, e muito, entendendo que o exercício do

seu dever cívico tem consequências naturais e espirituais sobre toda a nação. O Espírito

do Senhor certamente vai orientar você.

*Rawlinson Rangel é pastor, formado em Administração Pública e diretor do Instituto
Transforma em Curitiba-PR. Desenvolve um ministério de orientação a pessoas públicas
e ensino da Cosmovisão Cristã à Igreja. Casado com Márcia e pai do Arthur e do Levi.